26 setembro, 2012


Eu ainda queria escrever sobre você. Eu ainda queria mergulhar naquela cabeça escura e confusa, mas que, a meu ver, não havia nada tão confuso que eu não pudesse desvendar. Mas ainda que eu escrevesse sobre você, o que há para escrever mais? Afinal, todos já sabem que eu desejo. Talvez até você saiba também. E eu deveria mudar os clichês. Então decidi ir a uma cafeteria, porque nada melhor pra pensar que um bom café. Decidi que me daria um tempo. Que escreveria sobre qualquer outra coisa que não fosse você. Mas ao entrar na cafeteria, perdi esse pensamento, porque sem sombra de duvida tudo ali era feito de você. Desde a musica até os quadros nas paredes. Tudo conspirando para que eu escrevesse sobre você. Até mesmo o café foi meu traidor hoje. De qualquer forma, algum dia quando entrar naquele café, espero que lembre-se de minha pessoa. E tente imaginar como eu estava quando escrevia, ou pergunte a moça do balcão, ela me fitava em períodos irregulares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário