26 dezembro, 2011

Sem ela

1º dia: Acordei às 03:30 da madrugada, ouvi o barulho da chuva caindo lá fora, senti o cheiro doce, a acalmante da terra molhada. Fiquei sentada perto da janela, para ouvir mais de perto o barulho, para lembrar de algumas coisas, para lembrar de você. Fiquei lembrando da noite passada, das suas palavras e do momento que te vi saindo de minha vida. E cedo demais, as lágrimas começaram a cair, uma a uma, ferozmente, como se pudessem rasgar o meu rosto e atravessar a minha pele. 08:30, o sol saiu e o dia já está abafado, tento tomar um café, mas nada passa pela minha garganta, nem mesmo o choro. O dia se arrasta lentamente, me obrigando a reviver lembranças, a chorar pela saudade. E quando a noite chega, talvez cedo demais, me dou conta que hoje era Natal, eu vou me deitar, agarrada com o meu travesseiro encharcado.
2º dia: Ainda é o segundo dia ? Já pareceu ser quase um mês.O tempo passa estranho sem você. Levantei com um barulho parecido com som das mensagens que me mandava, corri atrás do celular, havia uma mensagem, prendi a respiração, mas ao ver o numero lágrimas escorreram, não era você, alias não era ninguém. Olhei a minha volta, ao quarto bagunçado. 13:50, não tive noticias suas. O coração estava doendo, comecei a me lembrar dos sonhos, eu ainda podia te beijar, te acariciar, eramos felizes. O resto do dia foi uma mistura de ansiedade e dor, foi demorado, não me acostumei, não ter mensagens, não falar com você, ter só o silêncio. Resolvi lhe mandar um recado, por msn mesmo "Estou com saudades :(" algumas horas depois você entra e devolve com um " Também estou com saudades :/" depois disso foram horas de indiretas nas diversas redes sociais, eu chorava com algumas respostas. 20:52, recebo uma mensagem, era você agora, prendi a respiração, meu corpo começou a tremer, congelei, por alguns segundos tive medo do que iria ler, mas juntei o resto de coragem que me sobrará, " Eu amo você :/ " milhões de coisas passaram na minha cabeça, todos sobre você, as lágrimas já escorriam pelo meu rosto e eu nem havia percebido, apenas 5 segundos e já pareceu a eternidade. Finalmente respondi "Eu também te amo :* muito" depois disso, só me lembro de ter tomado algumas doses de vinho e chorar muito.

14 dezembro, 2011

A garota.


Aos olhos de quem vê, ela esta bem, está feliz e não tem medo de nada. Segue os trilhos do trem até a cidade vizinha, apenas com uma mochila nas costas. E ao ouvir o trem se afasta elegantemente dos trilhos, ela observa calmamente o trem passar e depois volta para os trilhos, se equilibrando para não cair. Ela faz a mesma coisa todos os dias. Sai da escola, passa em casa para pegar a mochila e algo para comer e segue em direção dos trilhos. Ninguém sabe para onde ela vai, ou o que ela faz, ninguém exceto ele, que corajosamente ou apenas estupidamente a seguiu um dia desses. Ele, depois de tanto tempo, finalmente entendeu o ditado a curiosidade matou o gato.
A tarde estava ótima para dar uma volta na cidade, mas algo nos trilhos chamou-lhe mais a atenção, a garota que devia ter uns 16 anos, usava jeans e camiseta comum, não havia nada de especial nela, mas atenção dele se voltou para ela com tamanha intensidade que resolveu segui-la. Andaram um bom pedaço dos trilhos. Claro que ele bem afastado para que ela não percebesse estar sendo seguida, o que foi em vão, porque depois de tanto tempo andando por ali ela já diferenciava o som de pessoas, animais ou qualquer meio termo entre esses dois. Ela parou em meio ao nada, ele a observou, ela entrou na mata densa e ele com milhões de perguntas na cabeça apenas a seguiu. Andaram por quase meia hora e então chegaram a uma especie de passagem formado inteiramente por plantas. Ela parou diante do arco, respirou fundo e continuou por entre o arco. Ele a seguiu rapidamente e assim que passou ela havia sumido por completo, ele olhou em volta, mas tudo o que via eram arvores incrivelmente altas, que faziam uma sobra deliciosa, havia uma casinha de madeira em uma delas, o que era estranho porque aquele lugar era no meio do nada.
Ele quis subir para ver mais de perto, mas antes que pudesse dar qualquer passo, risos suaves romperam o silencio. Ele procurava de onde vinham, mas pareciam vir de todos os lugares. Uma voz, que parecia ser sussurrada em seu ouvido lhe perguntava "O que o traz aqui meu rapaz?" outra voz, porém dizia mais alto como se estivessem conversando normalmente "Não devia te-la seguido" e fez um som de desaprovação, uma terceira voz ainda surgiu, essa era doce e ele via de onde vinham, era a voz dela e vinha de trás de uma árvore "Meninas, meninas deixem-no, ele é meu" Ela saiu de trás da árvore, caminhando lentamente, já não vestia mais jeans e camiseta, agora estava em um vestido longo em tom de verde musgo, havia uma faixa branca na altura da cintura, os longos cabelos ruivos dela combinavam perfeitamente com as cores em volta, ela parecia estar voando naquele vestido fluido.
Ele se perguntava porque ela estava com aquele vestido, e ainda porque ali no meio do nada. Ela o observava calmamente. Haviam milhares de vozes em volta, elas sussurravam coisas como "Ele é mais alto que ela, são perfeitos juntos." " Se você acha que ele tem altura perfeita espere até ver o sorriso" "Sorriso haha, você já olhou naqueles olhos, eles seriam perfeitos para ..." mas antes que pudesse escutar o final uma quarta voz interrompeu dizendo "O perfume dele me lembra do ultimo" A menina com um sorriso malicioso no rosto disse "Garotas, se acalmem, estão assustando nosso convidado." Ele sabia que não gostaria de como aquilo terminaria, mas não tinha forças para dar nem um único passo, imagine para sair correndo.
Ela veio até ele estendeu a mão e , mesmo que o mundo inteiro gritasse para ele não dar a mão para ela e não acompanha-la , ele o teria feito. Eles subiram na casa da árvore, ele não gostava do que estava vendo, centenas talvez milhares, de fotos e recortes de jornais, falavam sobre mortes não solucionadas, desaparecidos e nunca encontrados, assassinatos em massa. Em todas as folha havia uma pequena marca, talvez uma assinatura, mas não pertenciam a garota.
Eles se encontravam sentados no meio da casinha, ela se virou para ele "Não são incríveis? Todos eles?" Ele, depois de observa-la algum tempo, disse "Quem? Os jornalistas?" Ele estava confuso. Ela fez uma cara de desgosto e disse " Não seja bobo, falo dos assassinos, casos nunca solucionados, eles nunca foram pegos" ele estava com muito medo para falar qualquer coisa e ela completou "Um dia serei tão boa quanto eles" os olhos da garota brilhavam, como se seu maior sonho fosse realmente esse. Ele a essa altura já estava com muito medo e imaginava como iria fugir dali, as vozes voltaram e se dirigiam a ela agora "Vamos faça, agora." "Não vai perder essa chance vai?" " Ela vai, vai ser igual ao ultimo, puf" e uma das vozes anteriores completou sarcasticamente "Vamos nos mudar de novo, haha que legal! " Ela começou a ficar brava "Quietas, todas vocês! Não vou fazer nada com ele, não quero que ele seja meu primeiro, mas também não posso simplesmente deixa-lo ir, ele sabe de vocês" ela se levantou e começou a andar de um lado para o outro. Ele depois de reunir toda a coragem que lhe restava disse "Eu prometo ficar quieto, se me deixarem ir. Prometo ainda servir-lhes um dia dos próximos anos que viver." A garota o encarou, primeiramente com cara de curiosidade, mas logo percebeu a cara de espanto do garoto, parecia pensar seriamente em aceitar a proposta, mas ela não deixaria tão fácil assim, depois de pensar e andar alguns minutos propôs "Eu lhe deixo ir, faz o que quiser de tua vida, contanto que a alma de sua primeira filha seja minha. Esta é minha unica oferta." Ele não poderia dar a alma de sua filha assim, ainda mais por não saber para que exatamente estaria doando, mas também não queria saber em que seria o primeiro da garota, não tendo saída concordou e seu pulso esquerdo ardeu por um instante, segundos depois havia uma marca, um X com uma bolinha em cima, por fim ela disse "Minha marca, não tem como fugir agora." Ele saiu dali, mas as vozes ainda estavam em sua cabeça, toda a cena ainda estava na sua cabeça. Mesmo depois de anos.

13 dezembro, 2011

Ultimo aviso.


Vem a dor, pedaços de um coração estão, literalmente, espalhados pelo chão. A morte tem cheiro de chuva de fim de tarde e neve as 4:00 da manhã, é reconfortante, porém gelada, já a morte com vingança tem um cheiro melhor, ainda cheira a chuva e neve, mas percebesse um pitada de pimenta, que segundo alguns italianos antigos, seria o cheiro do diabo. Talvez seja por isso que a vingança cheira a chuva, neve e pimenta, tem sempre almas que se esquecem quem são. Volta a dor, o que eu fiz ou porque eu fiz? Devia estar cega de tanto ciumes e tanta magoa, não seria a primeira vez que perco a cabeça, mas nunca tinha ido tão longe.
Dessa vez reconheço que errei, mas era tarde demais, ele já estava frio a horas, eu já havia despedaço seu coração, assim como imaginava estar o meu. Suas roupas que eram brancas, a camisa, a calça e até mesmo os sapatos estavam sujos de sangue. Eu não me lembrava de nada que havia acontecido, mas o meu vestido preto também estava sujo com sangue e algo me dizia que não era sangue meu.
Congelei alguns minutos, uma dor forte na cabeça me derrubou no chão e como um filme eu vi todo o que havia acontecido minutos antes. Em outras circunstancia eu diria que ele cavou o própria cova, mas desta vez eu o atrai, usei como isca o que eu e ele mais queríamos: ela, Disse-lhe que me renderia, que não perturbaria mais, que a partir dali seriamos como amigos e como prova convidei-os para jantar, nós três, sentados em uma mesa de jantar, arrumada na minha própria casa, ninguém ousava falar de lembranças vividas com ela. Comemos, conversamos civilizadamente e então era hora de ir embora, esperei a carona dela chegar, esperavamos a dele agora, não poder morar sozinho deve ser tão horrível, mas não era hora para isso tinha que executar meu plano rápido.
Pedi que aguardasse na sala, iria verificar alguma coisa inventada no momento, dirigi-me ao meu quarto, peguei minha mais valiosa relíquia a adaga que herdei de meu avô. Segundo a grande linhagem da família a adaga pula uma geração, portanto avôs passam para seus netos, isso tem seculos, felizmente ou infelizmente isso ainda esta em julgamento, eu herdei a adaga. Conhecida como Ceifadora, pertencia ao membro de uma seita, a qual todos os membros era Ceifadores. Eles julgavam ou julgam, não tenho conhecimento se ainda existe algum, quem merece morrer e então, após escolher a vitima ceifam corpo e alma. "Perfurar o coração e dividi-lo em partes" esta no guia para Ceifadores, sim alguém de minha família pertenceu a seita. Peguei a Ceifadora, dirigi-me ao quadro de força e apaguei toda a casa, ouvi ele chamar meu nome lá da sala algumas vezes, disse que estava tudo bem, que isso acontecia as vezes tirei meus sapatos que faziam muito barulho. Andei calmamente até a sala, estava tão escuro que para quem não conhecesse bem o lugar sairia tropeçando, vantagem para mim que tinha o alvo parado a partir dai. Chame-o pelo nome para que pudesse localiza-lo, no momento em que me respondeu estou aqui pude vê-lo claramente de pé ao lado da luminária, foram alguns passos até ele. Então com tanta facilidade e até certa malicia apertei a Ceifadora contra seu peito, ele arfava e eu apenas parei ao seu lado e sussurrei aos seus ouvidos "Não escutastes os avisos, me provocastes mais do que o tolerável, agora ceifo sua alma e coloco em minha coleção" neste momento ele caiu, retirei seu coração despedacei-o e espalhei pela sala como uma garotinha feliz, escondi minha adaga e guardei um pedaço do coração. Segundos depois voltei a mim. Começava agora uma nova coleção e mal sabia eu que a amaria tanto.

21 novembro, 2011

Smile for us.


Estava de olhos fechados, pensando em tudo que passei ao teu lado, pensando nos meus almejos por ti, pensando em como eu te queria, como queria teu corpo quente ao meu, como queria teus toques fazendo-me estremecer, arrepiar. Senti vibrações por todo meu corpo quando te imaginei tocando meus lábios aos seus [...]

No mesmo instante você me veio a cabeça, com os olhos delineados, os cabelos soltos e quase encaracolados, mordendo a boca como já era de costume e com uma ligeira expressão de eu-te-amo-demais-e-sei-que-você-me-ama-vamos-ser-felizes-juntos-para-sempre. Mas como sempre eu voltei a terra,e como se a terra não fosse ruim o suficiente, eu estava sentada do teu lado sem poder te tocar. A terra era o ultimo lugar em que eu queria estar hoje, mas esse pensamento se dissipou e eu encontrei o seu olhar, doeu mais que um tapa na cara, mas como todos a volta estavam sorrindo, eu simplesmente sorri fingindo que nada estava acontecendo, percebi que você tentou sorri, mas foi falso demais.
Eu me lembrei de você dizendo "As vezes o amor dura, mas as vezes ele machuca", como naquela musica, algumas lágrimas escorreram, mas eu estou bem agora. Passei o resto do dia decidindo se falaria ou não com você, ensaiei algumas vezes o que eu ia falar, tentei enviar por mensagem, mas não tinha coragem, deixei para lá e sem nada para fazer comecei a ver suas fotos. Por alguns segundo eu juro que meu coração parou ao ver que você estava me chamando no chat conversamos por alguns segundos.
O Silêncio se faz.
E a magica se fez, duas pessoas tão opostas funcionando perfeitamente, como nada tivesse dado errado, como se nunca tivéssemos brigado, por um momento me pareceu estranho e confuso, mas logo depois que fui para meu refugio pensar no acontecimento, eu li "pense no sorriso dela" com letras gigantes, involuntariamente eu sorri como não sorria a dias e logo que percebi em baixo havia com as menores letras que se pode imaginar "você esta sorrindo agora, por amor." e o que poderia parecer estranho fez sentido, se é que é possível achar sentido no amor.

20 setembro, 2011

Vento de duvidas


Lá estava ela sentada pensando, quanto tempo teria de esperar até resolver seu problema, quando a garota viria e lhe daria a esperada resposta. A impaciência lhe acelerava o coração, provando que ainda tinha um, apesar de tudo.
O pulso enfaixado e os curativos na perna estavam ardendo como nunca, a dor da lamina voltara para lembrar-lhe que a vida já não satisfazia tanto quanto antes. Agora estava frio ou pelo menos era o que parecia ao julgar as pessoas colocando seus casacos, mas ela já não sentia mais nada nem frio, nem calor, quem dera amor ou felicidade.

15 setembro, 2011

Razão de ser

Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?

Paulo Leminski
(1944-1989)

Muitos tentam escrever


Muitos tentam escrever sobre amor,
mas não sabem relatar sua dor.
Muitos tentam escrever sobre o ato de beijar,
mas se esqueçam do ato de acariciar.Muitos querem escrever sobre a vida,
mas esquecem de como ela dever ser vivida.
Muitos tentam relatar momentos marcates.
e se esquecem que a vida é marcada de instantes.Muito querem escrever sobre Deus,
mas esquecem que acabaram virando Ateus.
Deus não se descreve, Deus é amar.
e sentir no próximo a vonte de abraçar.O dom de escrever está em relatar
momentos que a vida nos faz sonhar.
Palavras não têm significado
se os sentimentos não forem justificados.


Welson Santos

08 setembro, 2011

Querido Garoto do outro lado do papel,

Estou a 3 horas olhando para a pagina do meu tumblr esperando as palavras para escrever-lhe, na verdade estou a um dia inteiro esperando, mas não consigo fazer-lo, não consigo nem ao menos pensar direito. Eu preciso agradecer, mas não sei como, eu preciso pedir, mas não tenho coragem, eu preciso de você do meu lado, mas atrás de tanto desejo sempre tem um medo, será, pois então, que atrás de um medo tem um desejo? De todos os medos creio que este seja o mais forte, só de pensar começa a doer, dói o coração, dói a alma, dói levemente a cabeça, mas só porque me vem a sua voz dizendo "mas que absurdo, que coisa idiota.” Me vejo sozinha chorando, ao lado sua sobrinha contida em seu mundo interior, olho para frente e vejo todos os seus antigos amigos, me recordo de alguns, mas não consigo prestar atenção, dói demais, sua família e seus irmão em volta de algo que me parece um caixão preto, eu procuro por você, mas não esta em lugar algum, começo a me desesperar,onde você esta? Porque não esta do meu lado? Prometeu que sempre estaria lá. Volto ao rosto de sua sobrinha, ela parece mais velha, uns 8 anos mais velha, me olho em um espelho e eu também estou mais velha, vou até o caixão, imediatamente começo a chorar, nada me assusta mais que ver aquela imagem, você esta no caixão, começo a correr e tudo fica escuro, o cenário muda estamos juntos, caminhando você sorri então tudo apaga sinto uma forte pancada na cabeça e acordo assustada, nada passara de um sonho e, mesmo já sendo esta a segunda noite, esta tudo bem. Estou com medo, quero você do meu lado, quero ter certeza de que esta aqui, de que não me deixou. Prometa-me que tudo ficará bem daqui 8 anos.


"Você pode contar comigo como 1 2 3 Eu estarei lá E sei que quando eu precisar, posso contar com você como Quatro, três, dois E você estará lá Porque é isso que os amigos devem fazer" - Bruno Mars

22 agosto, 2011

Impossível sem você.


A cena estava perfeita e eu observava os dois conversando, ela tinha um anel na mão e ele um colar onde se lia "Mors omni aetate communis est." em latim, a morte não poupa ninguém. Nos olhos dele o desejo estava explicito, mas a inocência dela não consegui ver. Ele pegou o anel, mas não desviou os olhos dela. Ela sentiu as mãos dele por alguns segundos, mas logo elas se foram e começaram a mexer no anel. Minutos depois consegui sentir a onda de melancolia, agora ela estava triste, a noticia a afetara de tal modo que ela quase chorava em seus braços, ele a abraçou e apertou forte, mas ela conseguiu segurar tempo suficiente para ele se virar e ir embora, afinal porque deixar ele a ver chorar quem ele era pra ver coisa tão pessoal? A voz dele tinha ficado na sua cabeça "não se preocupe Mors omni aetate communis est. a morte não poupa ninguém"
O dia seguinte não foi muito agradável, ela tinha que parar de chorar para prestar atenção na sala de aula, mas a noticia não era a qual ele tinha pensado que era, ninguém havia morrido ou se mudado, ela apenas ia ganhar alguém na vida dela, mas pelo que parece esse alguém tiraria o restinho de vida que ainda lhe restava, como se já não fosse suficiente para ele viver sem toca-la, ainda tinha que viver sem ela, ou assim ele pensava.

30 julho, 2011

Tão meu, tão minha mente.


Este não é meu mundo, pelo menos não o que eu quero. Este mundo não pertence a nenhum de vocês e nem a mim, duvido que consigam controla-lo. Eu controlo meu mundo, não é qualquer um que pode conhece-lo, talvez um dia ele te chame , mas será testado, por mim é claro. Primeiro testarei seu caráter, sua opinião conta e sua personalidade é lei, individualidade é a parte principal. Não conheço alguém que tenha merecido tanto para conhece-lo, talvez você aí que esta querendo saber se meu mundo vai lhe abrir as portas, mas vai ser testado primeiro. Decifre minha mente e talvez consiga entrar.
Refugio, este é o meu, doeu crescer então criei um mundo onde idade não importa, que a vida lhe ensina de maneira menos dolorosa e onde aqueles que me magoaram jamais vão entrar, não importa o quanto a vida lhe castigou eu não lhe deixar passar se a mim não conhecer, conheça aos meus desejos e já sabe o que não vai faltar nesse mundo, sabia das minhas dores e já sabe o que vai ser solucionada no meu mundo, saiba o que e quem eu odeio e saberá o que é proibido e por ultimo saiba quem eu amo e vai ver do que é feito a fechadora.

De Taís para Caio

"Dentro dela tem um coração bobo, que é sempre capaz de amar e de acreditar outra vez."
Caio Fernando de Abreu

Talvez na minha vida após o mundo eu conheça o Caio e talvez a Clarisse, eles poderiam ser meus amigos, me dariam ótimos conselhos, talvez deixe de ser a boba que vai acreditar, e se talvez as pessoas se lembrarem do obvio talvez eu possa acreditar.

10 julho, 2011

"Eu estou amando você"


"Poderia ter dito a mais tempo, mas quis esperar para ver se era verdade ou eu só tive medo" disse uma voz fria e mortificada vindo de algum lugar entre as arvores, a voz era com a maior certeza de Lucas, de certa forma Lilian não queria ir, mas respirou fundo e caminhou na direção das árvores. "Pare, o que esta fazendo?" ela pensou com sigo mesma "Não deve continuar, ele não é o que parece" Mas antes que pudesse dar meia volta, Lucas estava parado na sua frente, seus cabelos escuros lhe dava um ar sombrio, pele estava quase branca com a luz da lua cheia, seus olhos, normalmente castanhos, agora estavam pretos completamente pretos, estava vestindo um jeans surrado e o moletom preto que Lilian lhe presenteara a algumas luas atrás.
Lucas se aproximava, Lilian sentiu sua respiração aumentar. Agora ele estava a um passo de Lilian, ela ofegava, o ar parecia faltar-lhe, mas ele parecia não se importar. "Por que só agora? Por que não antes ?" Lilian disse eliminando o espaço que restava entre eles, Lucas estava gelado quase como se tivesse ficado em um congelador por um longo tempo, Lilian encostou a cabeça no seus peito, o coração de Lucas estava acelerado, Lucas estava com seus braços envolto na cintura de Lilian, permaneceram assim, até que o sol apareceu.

23 junho, 2011

There isn't "I just said"


Estava frio, alias quando se esta mal sempre está frio, mas estava mais gelado do que de costume, você já tinha ultrapassado a cota da semana de fazer as outras sorrirem, então decidiu variar e fazer alguém chorar. Alguém, qualquer uma, mas não eu. Pelo jeito eu sou sempre o seu alvo fácil.
Eu estava lá quieta, porque foi mexer comigo? Não precisava, eu estava me acostumando com a ideia de sorrir as vezes, quando você não estava perto ou quando meu amigo me fazia sorrir, mas sabe você conseguiu, me fez chorar. De novo. Mas desta fez foi diferente, eu parei na frente de casa, desliguei o carro, mas não sai, só fiquei lá observando os flocos de neve caindo lentamente até se desmanchar no chão. Dizem que lagrimas de tristeza são quentes e salgadas em quanto as de felicidade são doces e geladas, deve ser verdade, senti algo quente cortando meu rosto até se desmanchar na boca com um gosto meio salgado, olhei no espelho do carro, e as lagrimas simplesmente estava saindo, não consegui controla-las, imediatamente me veio suas palavras a mente "Porque ele é seu melhor amigo? Ele é do time de futebol e você é só você, não é nenhuma líder de torcida, nem faz parte de algum grupo social"
Suas palavras ecoavam na minha cabeça, como se você estivesse do meu lado falando, repetindo. Peguei o celular liguei para meu melhor amigo, ele não atendeu, tentei de novo e nada, deixei um recado para ele me ligar, pois era urgente. As suas palavras estavam mais fortes, o celular tocou e eu me assustei, atendi depressa na esperança de ser meu melhor amigo para minha surpresa era você, não consegui falar uma palavra e você desligou. Liguei de novo para meu amigo e ele atendeu, contei o que aconteceu sobre as palavras na minha cabeça e ele me mandou sair do carro e entrar em casa que ele estaria ao meu lado em cinco minutos, não o dei ouvidos, as palavras doiam no meu coração. Ele disse que já estava na esquina da minha rua, eu havia tomado um difícil decisão, liguei o carro peguei o celular e disse para que ele ficasse comigo ate o fim dos tempos, o fiz prometer pra mim, ele prometeu, mas me disse para desligar o carro, eu estava vendo-o pelo espelho retrovisor, ele começou a correr eu disse o ultimo eu te amo e acelerei, fui em direção ao poste , eu escutei meu melhor amigo gritando para eu parar e então você apareceu no lugar do poste, tentei desviar, mas era tarde acertei você e apaguei. Só me lembro depois de acordar no hospital com meu melhor amigo na cadeira ao lado da minha cama me observando dormir. E agora te escrevo para saber se esta bem, como você esta agora que sabe o motivo de estar aí?

03 maio, 2011

Eu sou uma pessoa totalmente apaixonada por sorrisos.


Já tentaram me convencer de que eu era frágil, de que me apegava de mais às pessoas, de que não sabia quando parar, de que eu era uma louca apaixonada. Algumas dessas coisas podem até ser verdade, mas eu realmente sou uma pessoa apaixonada por sorrisos. Se pararmos para analisa-los podem nos dizer mais de uma bilhão de coisas. Uma garota sorrindo poder estar triste, mas não quer que ninguém saiba, por isso ela sorri, ela pode estar feliz, pode estar envergonha, lisonjeada, apaixonada, agradecida... Um garoto sorrindo pode estar feliz, por que esta com amigos, pode estar apaixonado por uma garota que tem o melhor sorriso, mesmo que seja só para ele, pode estar disfarçando algo, podem ser inúmeras coisas. Um sorriso pode aproximar,curar ,viver, apaixonar todas as pessoas, a carência dele, porém pode afastar, machucar, fazer lágrimas escorrer, matar. A vida fica melhor com sorrisos, eu aproveito com todos os tipos de sorrisos, porque a vida é boa e acontece agora.

02 maio, 2011

Não me reconheço mais,

Na verdade nunca me conheci. Eu achei que poderia diferenciar o ar do oxigênio, achei que saberia quem são as pessoas e quem são os humanos, achei que saberia quem era o garoto e quem eram os meninos, achei que poderia ser feliz sozinha, achei que não precisava de ajuda, mas estava errada porque eu cai em meio as pessoas, eu já não sabia mais como respirar, não sabia mais amar e sequer tinha alguém para me dizer que eu estava errada, que eu estava longe do rumo.
Hoje eu estou dolorida, as feridas que já deveriam ter se fechado a anos estão doendo, porque eu aprendi da vida que quando se ama de verdade, mas não é amado dói, machuca, corroe, perfura. Não me ensinaram na escola que deveria escolher bem os amigos, não aprendi na escola a esperar o melhor da vida mesmo que , em alguns momentos, ela te derrube. A vida me ensinou como lidar com a sociedade e me ensinou que a utopia vivida em nossas mentes deve permanecer em nossas mentes, pois uma vez exposta o mundo dará um jeito de manipula-la e sua doce utopia vem a ser um pesadelo constante.


01 maio, 2011

Just this.


Alguns, eu odiei à primeira vista, mas fui confiando com o passar do tempo. Outros, eu sorri espontâneamente quando olharam pra mim. É assim. É algo tão imprevisível e inesperado… Talvez seja essa a essência de uma verdadeira amizade. Essa palavra tem tanta força em meus atos, que eu posso dizer que poucos são meus amigos.Cada palavra, cada abraço e cada briga me tornaram o que sou hoje: uma pessoa que consegue enfrentar seus próprios medos e não tem medo de cair e ser esquecido, pois sabe que se um obstáculo tentar interferir, companheiros estarão lá, para ajudar à revidar a covardia do inimigo, com um sorriso de vitória. (oisousincero)


30 abril, 2011

Ela é diferente.


O cabelo esta despenteado, os olhos são negros quase como se passasse muito tempo chorando dentro do seu próprio mundo. Esta de pijama, mas um pijama um tanto diferente, é uma camiseta branca e larga, possivelmente de algum menino ou até mesmo de seu pai, e um shortinho curto e preto. O esmalte esta descascando, já que tem preguiça de tirar. Normalmente as garotas preferem um saltos e vestidos coloridos, mas esta prefere all star, branco e preto e um jeans surrado. Passa horas olhando os posters do quarto e se esquece,por meros segundos que seja, que tem alguns problemas que não se resolvem. Ao contrario das outras tem um quarto bagunçado, com roupas pelo chão, livros para todos os lados, fotos antigas e cobertores pela cama. Ouve musicas o dia inteiro, dizem até que nasceu para a musica, mas discorda disso, acha que a musica nasceu para ela, alguns estilos claro. Pensa sempre em como seria se escolhesse outras coisas no passado, pensa em como seria se nunca tivesse mudado, pensa como seria a vida sem seus "irmão", como seria se não o tivesse conhecido, chega a algumas conclusões de vez em quando, mas nunca acredita nelas, evita ao máximo pensar no passado, porque dói, mas também não quer saber o futuro, certa vez disserem-lhe que esta não existe então para que se preocupar.
As pessoas não são feitas para agradar, muito menos para serem iguais e sigo esse exemplo de ser.

23 abril, 2011

Simplesmente muda.


Certo dia você acorda e sabe que está diferente. Não sabe por que mudou, nem quando mudou, só percebe que amadureceu, que sabe discernir o certo do errado, sabe quando parar e quando continuar. Pode até se enganar em algumas escolhas, mas sabe faze-las, sempre respeitando sua personalidade. Neste dia você vai acordar, olhar o céu e pensar em tudo o que viveu até ali, mesmo que tenha sido alguns anos apenas, porque esta não é uma mudança única, ela sempre acontecerá, você pode mudar a cada experiência, pode levar anos até ela acontecer de novo, ou pode ser na semana seguinte, não importa, você vai saber.
Não se explica a sensação, pois muda a cada pessoa.Não é como experinmentar comidas distintas, não é como ver o por-do-sol, não é como mergulhar na água gelada, é muito melhor, não tenho palavras para dizer como é. Essa mudança muda o jeito de ser, muda os pensamentos, muda o jeito de ver a vida. Você simplesmente muda.

...

Mulheres… Certo dia parei para observar as mulheres.. e só pude concluir uma coisa: elas não são humanas. Já viram como as mulheres conversam com os olhos? Elas conseguem pedir uma a outra para mudar de assunto com apenas um olhar. Elas fazem um comentário sarcástico com outro olhar. E apontam uma terceira pessoa com outro olhar. Quantos tipos de olhar existem… elas conhecem todos. Parece que frequentam escolas diferentes das que frequentam os homens. E é com um desses milhões de olhares que elas enfeitiçam os homens… En-fei-ti-çam!

Luis Fernando Veríssimo


25 março, 2011

Por esta eu não esperava.



Posso sim estar maquiada, como de costume. Posso sim estar de salto e usando as minhas melhores roupas. Mas isso nunca vai mudar o que eu sinto por dentro, é como um vazio, por não ter você aqui do meu lado. É o vazio que você deixou, quando disse que estaríamos juntos todo o tempo e se foi se tornou memória, se tornou lembrança. E isso nunca vai mudar com um rímel e um batom.
Não importa o quanto feliz eu vou estar se eu perceber que há amigos verdadeiros em meu redor irei lembrar da sua promessa e independente de ser um ambiente feliz o vazio vai voltar e me fazer chorar, pois minha saudade será eterna, e a minha saudade não é só olhar para o lado e dizem que se foi, mas olhar para todos os lados e perguntar cadê?

Ele: Como você se sente?

Ela: (Já teve um coração partido? Ou melhor… um coração completamente destruído? Já sentiu como se seu mundo estivesse desabando; sentiu um vazio dentro do peito? Uma saudade, uma falta, uma necessidade? Já quis estar com alguém que deveria esquecer? Então… eu me sinto assim, com todas essas dúvidas, com todas essas dores.) Bem e você?

(http://desculpasociedade.tumblr.com/post/4096115129)

24 março, 2011

O que há por trás das palavras ?


Palavras ditas se perdem, palavras escritas não, porém palavras ditas hão de ser mais convincentes que estas. Duas dimensões, distintas umas das outras, cada qual com seu dilema.
Se eu digo que estou bem não quer dizer que eu realmente esteja bem, assim como se você me pergunta não quer dizer que você se interesse em saber, mas se ouvires minha voz saberás.
As palavras são a chave tanto para abrir quanto para fechar. Nada te impede de usa-la para o mal, assim como ninguém lhe pede para usa-la para o bem. Só o que imploram-lhe és que diga o que há no seu pequeno mundo, pois para o outro será fácil julgar-te e depois do julgamento te arrependerás.

09 março, 2011

Só o velho medo.




Ter medo de monstros é temer o medo em si, pois o que são monstros se não o próprio medo? Se digo então, que tenho medo de monstros poderia dizer que temo o medo.
Com este pensamento caminhei para a cama verificando cada canto, acendendo cada luz e dizendo a mim mesma que monstros não existiam. Me deitei com as luzes já apagadas, fechei os olhos com todas as força. Repetia pra mim mesma que monstros não existiam, que tudo não passava de medo, comecei a lembrar de você me assustando, dizendo que quando os monstros me pegassem eu me tornaria sedenta por sangue, e não pararia até a ultima gota derramada. E foi quando aconteceu, no meio de tantos sustos e sussurros adormeci e como se isso não bastasse sonhei.
No meu sonho eu estava com um belo vestido branco manchado de sangue, este escorria da boca, das mãos e o mais assustador do buraco que deveria estar o meu coração, você estava ao meu lado segurando o que parecia ser o meu órgão que faltava, este estava todo rasgado e dilacerado. Eu estava com sede muita sede, mas não uma sede normal era uma sede por sangue, como você dissera que estaria. Eu tentei me conter, tentei não te ferir, mas o desejo era mais forte, você começou a correr e brincar com meu coração,e a dor tomou meu corpo. Fechei os olhos para a dor passar e quando abri estava no meu quarto outra vez. O sonho se segui durante algumas noites, mas parou.

27 fevereiro, 2011

Que não seja para sempre noite.


Dor física. Uma sensação de impotência. Raiva e tristeza. E saudade, de algo que ainda nem acabou. É preciso deixar voar - maldito pensamento que ecoa em sua mente. Ensinar a voar. Deixar voar. Nada é para sempre. Desapego. Desapego. Mas de forma imaginária, seus braços a seguram firme, seus joelhos sangram por arrastarem-se pela calçada irregular, implorando por mais algumas horas em sua companhia. Implorando a um deus em que nunca acreditou para que o tempo pare, para que o resto do planeta exploda. Não. Horas não seriam suficientes. Dias. Meses. Anos. Existe para sempre, mãe? Sim, existe. E acreditando nisso como uma criança, é esse o tempo em que deseja ficar com ela. Sem hora marcada. Sem despedidas tão dolorosas. Um até logo que não ficasse engasgado na garganta. Um abraço que não arrancasse pedaços. Um tchau que não terminasse em soluços desesperados ao dobrar a primeira esquina. É pedir demais, mãe? Apenas abrir os olhos pela manhã e enxergar os dela. Voz. Cheiros. Lágrimas. Sorrisos. Ver crescer, envelhecer, morrer como tudo e todos morrem. Sempre. Para sempre, nem que ele não exista, esse maldito sempre. Nem que seja tudo mentira, uma grande farsa, um engano, as pessoas, os sentimentos, a própria vida. Mas por favor. Pelo amor de qualquer migalha de sentimento verdadeiro que exista nesse mundo. É amor sim, e dói muito. Um beijo e sara, mãe? Que amor egoísta é esse que não sabe deixar partir? Mas não há mais lágrimas. O desespero escondeu-se. Não extravasa em rompantes. Escapa devagarinho, dia após dia. Como uma dor no limite do suportável, que não mata, só maltrata. Gostaria de ficar mais um pouco com você - é o máximo que as palavras conseguiam dizer. "O sol também vai embora, mãe. Mas ele volta." Sim. Claro que sim. Mas e as noites, tão longas, o que fazer com elas? O que fazer para não duvidar que a escuridão tem fim? Quando crescer, passa? Sara? Responda. Porque já cresci e ainda tenho medo.

Aquele inverno.


Os dias e as noites eram iguais. As semanas e os meses emendavam-se. Não havia luz, nem expectativas, nem nada que lhe causasse surpresa ou reação. Era como a morte, se não fosse por aquela velha dor conhecida, já atenuada - como uma espécie de tolerância. Aquele foi o inverno que trouxe as noites mais frias de sua vida. Não bastavam roupas e cobertas. A cama parecia feita de gelo. Seus ossos doíam, e as lágrimas em seu rosto eram o que de mais morno havia. Um frio que vinha de dentro. Um vento gelado, gerado no vazio que havia se formado em sua alma. Que soprava sua paz para bem longe, que sussurrava em seus ouvidos terríveis pensamentos. Durante meses, dormia duas, três horas por noite. E eram horas de pesadelos, que a faziam acordar em sobressalto, apavorada e com o corpo todo dolorido. Então ele chegou, como se desconhecesse ou ignorasse o frio. Ele tinha olhos de sol. Recostada em seu peito quente e macio, sentia lentamente seu corpo amornando e relaxando. Ela já não lembrava o que isso significava, sentir sono. Seus dedos, antes doloridos pela força que faziam ao abraçá-lo, pouco a pouco soltavam sua pele, deixando suaves marcas avermelhadas. Tudo a reconfortava: o cheiro, o toque, o calor, o som de sua voz. Mesmo com medo, entregou-se a uma noite escura sem sonhos, nem bons nem ruins. Mas a escuridão já não lhe causava pavor: bastava estender suas mãos para saber que não estava mais sozinha. Para ter a certeza de que o dia iria nascer novamente, sem trazer tanto peso e tanto pânico. Naquele inverno ele devolveu a ela o calor e a claridade. Ele devolveu a ela a vida real. Foi naquele inverno que ele a salvou.

Vai me perder.


Me despedi com um sorriso casual, como se não estivesse me importando. Mas virei as costas já com raiva de mim mesma,porque sei que meu amor é doentio. E tenho de escondê-lo como se fosse um vício, um defeito grave, um distúrbio alimentar. Se eu não tivesse conseguido me conter, teria me ajoelhado na tua frente, agarrado tuas pernas e entre lágrimas e soluços, teria dito "fica, fica. Fica comigo, por favor não vai embora agora, que tenho medo de ficar sozinha, porque quando fico sozinha em um entardecer nublado e frio de domingo tenho vontade de desistir de tudo. Fica agora, eu estou pedindo. Só vai embora quando esse aperto no meu peito passar." Mas eu não disse,e você foi embora achando que eu fiquei bem. Você disse que tem medo de me perder. E você vai me perder.

26 fevereiro, 2011

De vez em quando.


Lembro daquilo que não vivi. Lembro das lembranças dos outros. De como tudo parecia ser tão “menos falso”, quando ouço das pessoas que já viveram mais do que eu aquele velho início de história: “No meu tempo...”
Pode ser chamada saudade daquilo no qual não presenciei, ou apenas sentir falta disso nos dias de hoje. Sentir falta da simplicidade, sentir falta do essencial para viver, que é sempre menos do que agente tem, sentir falta de um obrigado, pelo menor e mais insignificante gesto que possa ajudar a alguém, sentir falta da coragem pra falar as coisas mais simples e importantes que uma pessoa possa ouvir. Sentir falta de “um dia frio, e um bom lugar para ler um livro...”
Sentir falta da coragem de dar uma rosa, fazer uma coisa “careta”, porém bonita, sem se importar com o que o mundo alheio vai pensar de você, e apenas se preocupar com o dono do presente.
Sentir falta de viver um “Romeu e Julieta”, e ser capaz de renegar a tudo, até a própria vida, em troca de um amor que vai além da mesma. Só não sentir falta de uma coisa: A vontade de voltar ao ventre materno e nascer de novo. Acertar onde houve erro, e festejar novamente os acertos.


Autor: Reuel Jonathan

24 fevereiro, 2011

No fim não faz diferença


Fim de festa. Roupas amarrotadas, penteados desfeitos, suor, cansaço.
Elas desceram do salto e eles desabotoaram a camisa. Todos, menos você.
Ficou no canto, observando. Esquadrinhando tudo que eu fazia.
Me assistiu dançar a noite toda, no começo sozinha, mas depois com a agradavel companhia do teu melhor amigo.
Observou cada detalhe, com a mínima precisão, mas não se moveu do canto onde se apoiava.
Apesar de ter visto minha mão esquerda desfilando sem aliança, não fez esforço pra entender. Apenas ficou ali, estático, me olhando como se filmasse um crime, do qual depois me acusaria. E esperou.
Esperou até que a festa acabasse, até que todos os carros tivessem ido embora.
Esperou até que ficassemos só nós dois.
Então virou as costas e foi andando. Sem vacilar, sem olhar para trás. Quando chamei seu nome, percebi seu braço descendo junto ao corpo e deixando cair na beira da rua alguma coisa. E essa coisa refletiu a pouca iluminação do asfalto. Cheguei mais perto e reconheci meu nome gravado dentro.
Ali, no meio da madrugada, me deixou sozinha. Sozinha com as nossas alianças, com meu remorso naturalmente passageiro e com minha traição.
Sozinha, como no começo da festa. Pra falar a verdade, não fez diferença.
Antes que o sol raiasse, já estava acompanhada novamente.

By : Leticia Castro.

Vazio cheio interior

Desisti de olhar as estrelas.
De sentir a chuva. Ela me fazia bem...ela me fortalecia.
E me fazia mal. Me despedaçava.
Benção e maldição. E eu queria ser amaldiçoado.
E agora, o que fazer sem estrelas e chuva?
Chegar até o céu perde a graça sem algo para alcançar.
Sair andando por aí perde a graça, sem se levar um bom banho para lavar a alma.
Será que ainda tenho alma? Sim, e não...aquilo era minha alma. Ou parte dela. Ela...não se foi, mas desistir de uma parte de
sua alma é algo exótico, interessante...e...doloroso. Deixa um espaço vazio.
Será que ainda me sobrou algo além do enorme espaço vazio?
Não. Por que não há espaço vazio. Estou apenas considerando-o assim.
O conteúdo ainda reside aqui. Por isso não há como preencher o vazio. Ele já está cheio.
E não sobra espaço para nada. Deve ser isso...tenho um vazio cheio. Deve ser pior que ter um vazio vazio. Podemos encher um
vazio vazio. Um vazio cheio não.
Não sei até quando vou conviver com o vazio cheio... mas no momento é preciso.
Ah, claro, há uma parte ruim disso. É que para tudo falta algo. Tudo fica meio amputando.
Mas os amputados tem dois caminhos:
1- regeneração.
2- sobreviver amputado.
Não faço ideia de qual caminho tomei. Afinal, não tinha luz de estrelas nem rastros de chuva nem nada para mostrar caminho
algum. Tomei qualquer um às cegas. Se eu chegar ao final, entenderei qual foi.
Tenho apenas um palpite sobre o caminho tomado. Esperar que o vazio cheio amputado volte a ser parte do todo. Que a chuva
torne-se tempestade para lavar esse mundinho cinza onde me enfiei. Um mundo com tudo, onde nada agrada totalmente por que
falta uma coisinha trivial. Maldição e benção, as coisinhas triviais e super importantes. Ser maldição ou benção depende
apenas da coisinha estar conosco ou não estar. Por enquanto, ando fraco, sem inspiração, sujo, amputado, e com um vazio
cheio. Mas ainda consigo andar. Ainda consigo respirar. Que recomece o ciclo, e que por favor, não seja igual ao que
terminou.

Escritor: Dija Darkdija

Da melancolia a esperança.


Hoje o tempo foi favorável à minha tristeza. Poderia ser um dia lindo e de comemoração, mas aos poucos foi ficando triste e escuro.
Foi uma tempestade de emoções, uma das mais pesadas, que não desejo a ninguém. Dentro de mim não consegui segurar as lágrimas, o céu desabou e meu chão caiu. Por fora o tempo refletia minhas emoções, a chuva caia e ajudava-me a esconder as lágrimas.
Tudo se deu de forma intensa, uma vontade de gritar, chorar, fugir e SUMIR para que pessoas que não tenham culpa sejam penalizadas com o que está acontecendo comigo. A cada pingo de chuva uma cicatriz abria no meu peito deixando marcas de um dia que pretendo apagar da minha memória.
Agora, a chuva passou. Tenho esperanças de um amanhecer lindo e ensolarado. Esperanças de que o vento leve todas as nuvens escuras desse céu e meu corpo volte para mais um recomeçar.

By : Adolescente: Um ser Pensante. (http://adolescentepensa.blogspot.com/)

19 fevereiro, 2011

I need your help.

A impressão que eu tenho é que nunca vai passar
Que a cicatriz não fecha. Que só de esbarrar, sangra

Caio Fernando Abreu


Tenho um grande vazio onde deveria haver um coração, um que batesse com força ao te ver, um coração que sentisse as felicidades do seu sorriso e não um que gritasse de dor a noite, não um coração mutilado e destroçado. Meus amigos me ajudaram a tentar costurar, mas adivinha, o estrago que você fez foi permanente, já cansei de explicar para as pessoas porque eu sou tão chata com amor, já cansei de explicar porque eu não olho nos seus olhos, já cansei de não conseguir falar com você.
Você se fez de vitima nessa historia, mas adivinha de novo quem foi a pessoa mais prejudicada, já que você diz ser tão bom, porque não me ajuda a superar, porque não concerta meu coração e me ajuda a olhar nos seus olhos.

18 fevereiro, 2011

Vale a pena .


Para que vale a pena viver ? Para ser feliz e ser alguém ? Para escutar musica ? Para escrever ? Para matar a saudade da familia ? Para estudar de manhã e dormir a noite ? Ou estudar a noite e dormir de manhã ? Seja qual for o motivo a vida vale a pena.
Vale a pena viver para ver a felicidade de uma criança do jardim de infância correr, pular e brincar. Vale a pena sorrir, vale a pena ter amigos, vale a pena ser amigo.
As vezes a vida vem e te derruba, mas você vai e continua, porque vale a pena continuar tentando, porque, apesar de ser difícil, o presente sempre vale a pena viver. Quando ao passado este passou e o futuro os aguarda.

07 fevereiro, 2011

Me.


eu não sou a mais bonita, nem tenho o mais lindo sorriso. Eu não me pareço com a barbie e não tenho todos os ideais de beleza, eu sonho acordada e choro sem razão. Eu uso perfume doce e prefiro cabelo preso. Eu não saio de casa sem estar me sentindo bem, eu tento ser diferente, mas acabo sendo completamente igual. Eu vou bem em português e não entendo matemática. Eu já fui chamada de perfeita e descobri que a perfeição cansa. Eu já fui a melhor coisa na tarde de alguém, mas que não fez disso a melhor coisa para a minha tarde. Eu posso ser muito querida, mas posso ser insuportável quando eu quero. Eu já fui a garota dos sonhos de alguém. Eu já fiz juras de amor e já chorei por elas. Eu conheço muitas pessoas, mas posso contar nos dedos quem realmente são os amigos de verdade.

05 fevereiro, 2011

Continue


2009 foi o pior ano da minha vida. É engraçado que eu até hoje não sei se a dor passou ou se fui eu que acostumei com ela. O que eu tenho certeza é que eu não quero voltar a ser quem eu fui.- Vulnerável.
Você já se sentiu assim? Como se nada, nem ninguém conseguisse mudar o que você sente? Como se você vivesse literalmente susceptível as circunstâncias que iam acontecendo na sua vida?" Depois de todas as tempestades e naufrágios o que fica de mim, em mim é cada vez mais essencial e verdadeiro. "
Eu fiquei cansada de " construir e demolir " fantasias. Dias cheios de altos e baixos. Duvidas frequentes que não saiam da minha cabeça. Esperar ou esquecer ?
Eis que surge o maior dos problemas. Esperar dói, esquecer dói. Mas não saber se deve esperar ou esquecer é a pior das dores.E quem disse que é fácil esquecer ? E quem disse que é possível ? Sim, esquecer é possível, mas um tanto difícil.
Durante muito tempo chorei e senti saudade da maneira mais humana possível. Mas isso não mudou em nada. Deitei a cabeça no travesseiro e fiquei pensando como seria se pudessemos apagar uma parte da nossa vida. (Acredito que todos já tenham pensado nisso).
Confesso que a tentação de poder apagar tudo aquilo que desencadeou a minha dor foi grande, mas depois de tanto pensar optei por não querer apagar. Com diz o meu preferido " Aprende, aprende, aprende que dói menos. "
No fim de tudo percebi que o certo é lutar e tentar ser feliz.
E uma coisa é fundamental (e dificílima) - Acreditar

É difícil acreditar.


O mundo não é cor de rosa. Papai noel não existe, nem todo mundo é tão legal e confiável assim, fadas não são de verdade, as nuvens não são de algodão doce, que um sorriso nem sempre é verdadeiro, que não é chorando que se resolve, você não mora numa bola de cristal, sonhos são ilusões e você não é imortal.
Você cresce . Não é mais a queridinha da vovó, não é mais a princesinha do papai. Você perde os amigos imaginários, não vive mais cercada de pessoas que sorriem pra ti, e pessoas querendo te mimar e fazer suas vontades, Até o bicho-papão te abandona. Você não pode mais simplesmente chorar pra não ir na escola, não pode mais morder as pessoas quando se irrita. Ninguém mais limpa suas lágrimas e te põe pra dormir dando beijinho na testa. Você perde todas as regalias e passa a ser responsável pelo que cativou.Você cresce...Você aprende, você erra, você GANHA e você também PERDE.

Insana garota.



Minhas vontades insaciáveis, meu medo avassalador, minhas manias incontroláveis, meu desejo encoberto, minha paixão inacessível, minha amizade volúvel, meu sorriso autêntico, meu abraço de boa fonte, meu olhar cauteloso, meu beijo prazeroso, minha excentricidade, egolatria e melancolia; Não há quem entenda de verdade!

Chego a ser engraçada com essa sensação simultânea de falta e desejo que me assombra. Talvez deva acreditar que o coração só é inteiramente feliz quando bate ao lado de alguém. Curioso. Viciante.
Vivo contrariando minhas promessas e chegando perto do fim, é que eu ainda devo aprender que é impossível respirar de lembranças. Eu gosto das pessoas que eu não consigo controlar. Das impossíveis e difíceis criaturas insanas e contrárias habitantes do planeta em que vivo atualmente. É interessante e intrigante a ideia de que minha mágia não funciona com todo mundo. Talvez essa seja a graça de viver agora e aqui.
Busco explicações no invisível e é no que ninguém consegue ver que mais consigo enxergar a realidade. A própria realidade. Isso não é um máximo? Eu tenho uma.

Ele, com sua Malícia.



Eu não esperava nada de interessante acontecer, até que, te vi surgir, no cantinho da minha tela, no meu msn. Com aquela velha foto de sempre. Que outra vez me fez delirar no mundo inacessível que esconde atrás de seu olhar. Enquanto comentava sobre a minha frase, a minha foto -como fazia de costume- eu estava pensando na falta que ainda me faz. Por ultimo comentou sobre nós, disse algo sobre saudade - aquilo que vem, daquilo que vai - e enquanto jurava sentir minha falta eu jurava não acreditar nisso. Sou consciente sobre ser apenas uma de suas meninas enquanto você é o meu primeiro e único cara; Aqui. Agora. Depois de alguns minutos aguardando a resposta de uma pergunta qualquer, logo saiu. Eu sabia que muito provavelmente partiu em busca de uma "baladinha" cheia de "bebidinhas" e mulheres "bonitinhas".

Minha inocência sempre te agradou e sua malícia sempre me enganou. Há alguns meses atrás eu não me preocupava, agora já não sei quando não faço isso.

Não demoro perceber que "carinhas" como aquele, nunca são o que parecem ser. Ali, com aquelas poucas palavras, ele parece ser o cara ideal. Mas aqui, ele nunca passou de um "desconhecido" em meu coração.
Sabe qual é o meu problema? não saber desfazer.

04 fevereiro, 2011

Insensatas confusões.


Eu sei que voce esta se sentindo pressionado, eu não queria que fosse assim, alias eu não queria “que fosse” eu não te culpo e nem me culpo porque eu não mando no meu coração, eu não sei eu só sei que como melhor amigo eu te amo trezentas vezes mais e não é porque surgiu um imprevisto que a nossa amizade vai fraqueja agora, a gente já passou por muitas coisa juntos pra acaba assim, eu pensei e cheguei a conclusão de que estou confundindo as coisas entre a gente e não é isso que eu quero eu quero que você saiba que nunca, nunca eu deixaria a nossa amizade acaba por causa de um “capricho do meu coração".

Amor juvenil.

"Um menino de uns 12 anos, o que para mim significava um rapaz, esse menino muito bonito parou diante de mim e, numa mistura de carinho, grossura, brincadeira e sensualidade, cobriu meus cabelos já lisos de confete: por um instante ficamos nos defrontando, sorrindo, sem falar. E eu então, mulherzinha de 8 anos, considerei pelo resto da noite que enfim alguém me havia reconhecido: eu era, sim, uma rosa."

Clarice Lispector



Eramos jovens quando nos conhecemos ,crianças vulneráveis e vidas sem emoções. Eu me perguntava se o que eu via em você era a verdade ou era umas das suas muitas mascarás, se era umas destas eu não sei, mas sei que gostava. Não fazia sentido o que sentíamos, era algo vulnerável, mas trivial era quente, mas era infantil. Havia faíscas, eu as via, mas não entendia o que era. Essa coisa de amor juvenil é tão trivial e complicada, hora se sabe o que é hora esta na dúvida.

31 janeiro, 2011

Sentir, sentir.


Os mistérios da minha alma são as minhas lágrimas,
Elas sempre denunciaram essa fragilidade
Estampada e escancarada do meu sentir.
Esse olhar para o olhar do outro,
O tocar embrulhado em afetos
O coração pulsando descompassado
Os mistérios da minha alma são tão frágeis quanto os da sua alma.
Os nossos segredos escondidos de nós e revelados
Sobre a mais forte luz da nossa intimidade
O que é que eu posso contra o encanto do amor?
O encanto que volta sempre a me enfeitiçar.
Esse caminhar constante,
Nessa roda gigante de sentir, sentir.
Não descarto e nem coleciono desafetos,
Mas não tenho mais tempo para amor discreto,
Pois frágeis são os mistérios da minha alma.

Uma garota má.


Eu costumava ser uma boa garota, até o maldito dia em que me passaram para trás. Pessoas más, amigos insanos, mais pessoas más cansei de ser boa para ter uma vida assim a partir de agora serei má com quem me for mal e com quem me for bom. Pessoas me criticando a todo maldito momento.Já que vocês querem me criticar darei-lhes motivos para este.
Eu costumava ser gentil, tão gentil que tiverão a coragem de me machucar, mas digo a estes hoje aguardem-me e previnam-se. Eu tenho bastante rancor guardo para libera-lo.

25 janeiro, 2011

Meu e de mais ninguém,


Eu passo por coisas que acabam comigo e não conto para ninguém. Estou naqueles momentos silenciosos em que pouca coisa parece fazer sentido. Porque eu me fecho em um mundo pequeno, que me da forças , que me preserva, que me isola e que, por mais rara esta ocasião, me abandona. A ausência das pessoas levam a isso, a ausência do amor e a falta de amigos. Todos tivemos e teremos dias ruins, não faça como eu e aprenda com esses dias, pois eles lhe darão forças. Confie e desconfie de todos, amigos e inimigos, confie e desconfie da vida em si, ela pode parecer boa, mas quando menos esperar ela vai te derrubar.

24 janeiro, 2011

Não ensinam nunca.


As pessoas falam “Não se apegue,um dia ele vai te deixar e você vai sofrer”, ou falam “esqueça ele”,mas ninguem diz como esquecer,ninguem diz como não se apegar.E acima de tudo,ninguem além de mim sabe da intensidade do amor que eu sinto por ele,ninguem sabe a pessoa perfeita que ele é alem de mim,eu sim sei que ele é o grande amor da minha vida.