05 novembro, 2010

Não serie apenas mais uma no tempo perdido .


Não sei dizer ao certo quanto tempo o esperei. Talvez a vida inteira. Talvez mais. Também, não sei quanto tempo ainda vou esperar. Seria pedir demais, pedir que tu não deixaste o tempo transformar essa coisa tão bonita em algo morno e cinzento? Tu só estas deixando o tempo passar? Oh meu querido, o tempo não passa. Nós é que passamos. São nossos relógios que fazem tic-tac, não o tempo. O tempo devora, vai devorando tudo. Parafraseando Cartola, diria que o tempo é um moinho, e sabe quem está no meio das engrenagens ? A gente. Não devia ter deixado que tu entrasse na minha vida. Mas, chegaste e não pude resistir. Foi de súbito e foi doce desistir. Agora, quero expulsar-te do meu peito e não consigo. Me perdi em tu, nesse seu jeito e nesses seus gestos, mas que contradição.. só me encontro em ti. Aí penso no tempo, e ele que me desculpe, mas ele não cura tudo. Não deixa que esse tempo todo me torne uma fotografia envelhecida na sua memória falha, tá?

Nenhum comentário:

Postar um comentário