10 novembro, 2010

E naquele dia ela chorou,


Foi a primeira vez que ela chorou por ele. Não havia o que falar, simplesmente chorar. Não há porque discutir com algo que é tão evidente. Era tão perfeito, um tanto surreal, mas perfeito. E isso a assusta, a consome, a enlouquece. E se for errado ? Se for tão perfeito que não é real ? Já era tarde demais, já ela havia cometido seu maior erro, apaixonar-se. E se fosse tarde e tudo fosse mentira. Como ira suportar a dor .. Sem saber restou chorar mais. De tanto chorar seus olhos de castanho escuro , marcantes por sinal, passaram a pretos.
O coração acelerado, a mente não conseguia mais pensar, o coração doeu a primeira vez, NÃO, pensou ela , não poderia doer não agora, não tão rápido, o quarto dava voltas e mais voltas, as velhas ao lado da mesa iluminavam os cadernos e o relógio, 00:00, o coração volta a acelerar. Estava preste a ter uma parada cardíaca, então parou como se acabasse, como se morresse. A nostalgia veio, seguidas de melancolia e dor. Restaurara a consciência, começara a pensar na dor,mas tentava esquece-lá. Dentre muitos pensamentos lhe veio a cabeça um pequeno comentário de um grande amigo "Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia." Sim o dela também era de carne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário