23 novembro, 2010

Esquecer alguém em 5 dias.



Esquecer alguém é sempre uma tarde difícil e dolorosa. Infelizmente ou felizmente não temos um botão em nosso coração com a função de delete ou ctrl z. Temos que fazer isso manualmente, e para isso, precisamos de tempo. Algumas vezes, muito tempo. Certas (quase sempre erradas) pessoas marcam, algumas negativamente outras positivamente. E você querendo ou não, você acaba sempre se acostumando. Seja com a dor, ou com o amor. E mais difícil que lidar com isso, é perder isso. É sobre isso que falaremos no post de hoje, sobre como lidar e superar essa perda.
1° Dia Eu sei que as coisas ainda estão muito recentes, sua cabeça esta confusa e você não sabe o que fazer. O você sabe, o primeiro passo é sempre o mais difícil l. Primeiramente você deve parar de ficar entrando no orkut dele, eu sei o quanto é difícil mas você tem que tentar. Entenda, isso é como pedir para sofrer, você sabe que terão recados que irão te deixar mal, é melhor ficar em dúvida do que ter a certeza. Dói menos… Muito menos. Se não consegue simplesmente não entrar, delete-o. Tenho certeza que você não vai ter cara de adicionar de novo, e se a página de recados for trancada, ainda melhor.
2° Dia Você já não se aguenta mais de tanta agonia, não precisa esconder de mim. Eu sei que hoje você não resistiu e entrou no orkut dele. Não se preocupe isso é perfeitamente normal, essa vontade vai sumir com o tempo. Hoje é dia de pensar em outras coisas, que tal tirar algumas fotos? Veste umas roupas bem bonitas e faz uma maquiagem bem legal e tire AQUELAS fotos! Aquelas que todo mundo comenta (isso com certeza vai chegar ao ouvido dele, talvez ele se interesse e veja, talvez não… Mas isso não é o que importa agora) o quanto você está linda. Se destraia, se divirta. Faça o que você gosta de fazer, algo que ocupe toda a sua mente. (Não deixe tempo para você pensar em b-o-b-a-g-e-n-s.)
3° dia Hoje é dia de conhecer gente nova. Sabe aquele garoto que mora na rua ao lado e que você SEMPRE teve vontade de conversar? Pois então chegou a hora. Adicione ele no orkut e mande um recado legal, elogie a foto comente o texto do perfil, seja criativa. Converse sobre coisas que ele gosta, se informe. Seja engraçada mas não vulgar. Tenha interesse pelo o que ele diz mas não reclame se ele demorar a responder. Conte coisas engraçadas que aconteceram com você e não fale que ama ele logo de cara. (Isso assusta qualquer um!)
4° dia Se estiver com muita vontade de conversar com o “seu novo amigo”, acredite você esta indo pelo caminho certo. Se ainda não encontrou alguém para se ocupar continue procurando, talvez você já até tenha um amigo assim e não percebe preste atenção. Não desabafe demais, conte os seus problemas de uma maneira que ele possa te ajudar, não deixe que ele tenha pena de você. Por mais que as lembranças ainda te incomodem… Calma! Elas devem estar indo embora.
5° dia Já conversou o bastante, conheceu o bastante que tal marcar para sair? Não estou falando nada sobre ficar, beijar ou namorar. Você nesse momento não deve estar pensando em nada sério. Mas as vezes dar uma risada “ao vivo” é mais divertido que pelo MSN! Se apronte, não vista roupa curta demais, nem batom vermelho (talvez ele não queria se borrar ), pinte a unha de uma maneira diferente, para ela elogiar… Traduzindo: faça tudo que puder, mas sempre sendo você.
Talvez você já nem sinta falta do seu antigo amor, talvez ainda se lembre dele as vezes. Tudo isso é normal. Se encontrar ele na rua seu coração corre ainda o risco de acelerar, são aquelas malditas borboletas. Pouco a pouco elas vão morrendo e renascendo de novo, só que agora por alguém que realmente merece.
“A melhor maneira de esquecer um passado, é criar outro.”

Somente por um dia.


Coração na boca, mãos suadas, respiração intensa, o clichê de sempre: você está apaixonada. Só que dessa vez é por alguém que mal sabe da sua existência, o chamado amor platônico. Acontece andando na rua, num lance de escada, saindo do ônibus. É olhar para o lado e ver que tem alguém te olhando, mas não do jeito que você olhou. Alguns segundos bastam pra você cair de amores, procurar tudo sobre ele na Internet, investigar a vida pessoal. Eis que você o acha no orkut, e vocês começam a conversar. Vocês viram amigos. Eu chamaria isso de pseudo-amor-platônico, já que na maioria desses amores o cara nem sabe que você existe. E como há uma amizade entre vocês, eu diria que mais da metade do caminho já está andado. Mas você quer ficar parada. A questão é que, como num bom amor platônico (ou pseudo-platônico) que se preze, ele não faz a mínima idéia de que você gosta dele. É nessa hora que aparece a dificuldade de amar. A relação de amizade é tão bonita a ponto de você ter medo do que sente. É difícil olhar nos olhos dele e ter que escutar com quem ele passou noite passada. É pior não escutar. Com isso, o que era pra ser uma relação saudável e primeiro passo para um namoro sincero, começa a ser assombrado pelo fantasma da indecisão, que é a amizade, amor, medo e dificuldade em uma palavra só. Isso tudo implica para um afastamento inevitável entre vocês – que no fim você verá que foi saudável. As conversas diminuem e as promessas de “vamos combinar alguma coisa” não vingam. Nunca vingam. O amor vai sumindo, sumindo, sumindo. Vira um grão de açúcar no seu coração amargo. E, magicamente (na teoria), você desencanta. Isso é algo tão natural que seria uma grosseria eu dar qualquer conselho nesse texto. Porque você sempre (re)começa a querer outras coisas, outros caras. Lembra de tudo com carinho, mas prefere do jeito que ficou. Porque você sabe que, apesar de tudo, não passava da menina que ele viu saindo do ônibus certa vez.

Jogar amor para sempre.


O cara me amava, e eu nem o notava.
Eu o enxerguei e ele desapareceu.
Pra sempre.
Gostaria de dizer que essa história só aconteceu comigo, mas sei que estaria mentindo. Isso é
tão comum quanto se apaixonar pelo melhor amigo, quanto querer um beijo do professor de
português, quanto sentir saudade do ex namorado num domingo à tarde.
Acontece.
Você se apaixona por um cara que aparentemente sente o mesmo por você; ele manda flores e você
cria borboletas. Tudo lindo. Até que em um belo dia ele acorda com vontade de nunca mais. Não
te liga. Não te atende. monosilabico. Sim. Não. Depois.
O segredo talvez seja nunca entregar o troféu. Não dizer eu te amo – sempre – primeiro. Deixar
claro que existem outros concorrentes, outras chances de ganhar. Que o jogo ainda não acabou.
Então amar é jogar um jogo? Não.
Fazer durar pra sempre é.

Mais uma vez.


Noite passada eu chorei por não saber o porque de tamanha vontade de chorar. De cansaço dormi entre soluços e me levantei no outro dia sem lembrar que calei horas antes meu despertador. Atrasada.
Tudo começou e acabou da mesma maneira: Eu, minha bolsa jogada no sofá e uma tela em branco.
Descobri que tenho medo de escrever. Medo de mexer no que está oculto e fazer acordar sentimentos internos que jurava ter engolido, digerido e cuspido – em centenas de lágrimas.
Mas eu preciso, esse é o meu trabalho.
Busquei na minha última lembrança uma gota de amor e me afoguei em pequenos sentimentos aumentados pelo tempo. Senti o que chamam de saudade e tentei convencer meu coração que ele deveria traduzir tudo aquilo para o meu cérebro em forma de palavras. De novo.
Dei um lindo fim para aquela história e terminei mais um texto de amor. Foi então que percebi que tudo aquilo não passavam de palavras imagináveis.
E então comecei a chorar por não ter mais motivos para chorar. De novo.

Atraem, distraem, contraem ?


Os opostos se atraem? Ou, como diria o Teatro Mágico, os opostos se distraem e os dispostos se atraem? Você acredita no amor entre duas pessoas completamente diferentes uma da outra? Imagine uma mulher dramática e desesperada e um homem sério e equilibrado. Eles dariam certos juntos por serem opostos ou a oposição só levaria brigas por serem muito diferentes? O clichê de opor-se para atraírem-se nos persegue e, inconscientemente, acreditamos que algo não deu certo porque as pessoas eram “parecidas demais”. Só que, contradizendo isso, se algo não dá certo entre pessoas diferentes, dizemos que não deu certo porque as pessoas eram “diferentes demais”. E agora? No que acreditar? Tudo parte de outro clichê: a química do casal. Temos várias maneiras de “medir” se essa química acontece ou não: o “speed dating” – encontro entre casais realizados por agências – proporciona o reconhecimento da pessoa amada em 3 minutos; já a ciência vai além: prova que isso é possível em 30 segundos! Pronto. Acabou. Já não basta a paixão ser tão complicada e ainda me mostram comprovações aparentemente absurdas para defini-la num curto espaço de tempo. Deixando de lado o racional, vamos ao emocional, que é o que realmente interessa. Você conhece um cara e rola aquela paixão à primeira vista. Você realmente se preocupa com o tempo que isso levou? O cara te chama pra sair. Você realmente se preocupa com o signo dele ou se a química entre vocês flui bem? O cara é completamente diferente de você. Você REALMENTE se preocupa se os opostos se atraem, distraem, contraem? Nessas horas, duvide do que a ciência, o presidente ou o papa dizem. Siga sua intuição e viva apaixonada todo dia. Seja uma paixão física, química, biológica ou filosófica. Seja uma paixão oposta ou igual. Seja qualquer definição. Que seja paixão.

16 novembro, 2010

Talvez, Não verdade.


Talvez quando você precisar de mim eu já tenha perdido a vontade de te ajudar. Quem sabe quando você lembrar que eu existo, eu já tenha esquecido você. E se por algum acaso você quiser me amar... talvez eu transforme esse amor em amizade. Talvez quando você sentir a minha falta eu já tenha um outro alguém que me queira tanto quanto eu te queria. E, se depois de tudo que eu escrevi, você continuar não entendendo que eu sofri por você, esqueça tudo que você leu. E se enquadre nestas 3 palavras:Você me perdeu...

10 novembro, 2010

Livros do coração..

- Diga-me uma coisa. Quem partiu seu coração com tanto raiva ?
- Vejo que sabe ler mais que livros.
- Sabe o que é bom dos corações partidos ?
Neguei
- É que só podem partir de verdade uma vez. O resto são apenas arranhões.
- Ponha isso no seu livro.
- Não sei quem é esse bobo, mas espero que saiba que é o homem mais feliz do mundo.
Eulalila sorriu com certa tristeza e fez que sim .

( O jogo do anjo - Carlos Ruiz Zafrón )

E naquele dia ela chorou,


Foi a primeira vez que ela chorou por ele. Não havia o que falar, simplesmente chorar. Não há porque discutir com algo que é tão evidente. Era tão perfeito, um tanto surreal, mas perfeito. E isso a assusta, a consome, a enlouquece. E se for errado ? Se for tão perfeito que não é real ? Já era tarde demais, já ela havia cometido seu maior erro, apaixonar-se. E se fosse tarde e tudo fosse mentira. Como ira suportar a dor .. Sem saber restou chorar mais. De tanto chorar seus olhos de castanho escuro , marcantes por sinal, passaram a pretos.
O coração acelerado, a mente não conseguia mais pensar, o coração doeu a primeira vez, NÃO, pensou ela , não poderia doer não agora, não tão rápido, o quarto dava voltas e mais voltas, as velhas ao lado da mesa iluminavam os cadernos e o relógio, 00:00, o coração volta a acelerar. Estava preste a ter uma parada cardíaca, então parou como se acabasse, como se morresse. A nostalgia veio, seguidas de melancolia e dor. Restaurara a consciência, começara a pensar na dor,mas tentava esquece-lá. Dentre muitos pensamentos lhe veio a cabeça um pequeno comentário de um grande amigo "Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia." Sim o dela também era de carne.

05 novembro, 2010

Não serie apenas mais uma no tempo perdido .


Não sei dizer ao certo quanto tempo o esperei. Talvez a vida inteira. Talvez mais. Também, não sei quanto tempo ainda vou esperar. Seria pedir demais, pedir que tu não deixaste o tempo transformar essa coisa tão bonita em algo morno e cinzento? Tu só estas deixando o tempo passar? Oh meu querido, o tempo não passa. Nós é que passamos. São nossos relógios que fazem tic-tac, não o tempo. O tempo devora, vai devorando tudo. Parafraseando Cartola, diria que o tempo é um moinho, e sabe quem está no meio das engrenagens ? A gente. Não devia ter deixado que tu entrasse na minha vida. Mas, chegaste e não pude resistir. Foi de súbito e foi doce desistir. Agora, quero expulsar-te do meu peito e não consigo. Me perdi em tu, nesse seu jeito e nesses seus gestos, mas que contradição.. só me encontro em ti. Aí penso no tempo, e ele que me desculpe, mas ele não cura tudo. Não deixa que esse tempo todo me torne uma fotografia envelhecida na sua memória falha, tá?

Talvez a vida me ensine,



a não esperar tanto das pessoas para não me decepcionar, a dizer Não às vezes, pois isso é necessário, a não ser tão ingênua e confiar cegamente nos outros, a não desprezar quem me ama de verdade para não me arrepender depois, a acreditar que certas amizades são passageiras, a não me desvalorizar quando o amor que eu sentir por alguém não for correspondido, a não esperar o desespero para só então recorrer a Fé, a chorar quando for preciso pra que depois eu me sinta melhor, a não acreditar que as coisas podem ser perfeitas, pois elas nunca vão ser...

Talvez a vida me ensine a não esperar perder as pessoas que eu amo, para só então eu dar o devido valor que elas realmente mereciam.